Cenas dos próximos capítulos! Troca de valva aórtica transcateter agora em pacientes de baixo risco?

Em maio deste ano, foi publicado um artigo1 sobre troca de valva aórtica transcateter (transcatheter aortic-valve replacement – TAVR) em pacientes de baixo risco. No princípio, essa técnica era utilizada apenas em pacientes de alto risco cirúrgico, passando a ser utilizada naqueles com risco intermediário e chegando, agora, àqueles de baixo risco.

Nesse estudo multicêntrico e randomizado com 1.000 pacientes, foram incluídos os que tinham estenose aórtica grave por calcificação e considerados de baixo risco (levando-se em conta condições clínicas e anatômicas), sendo acompanhados por 1 ano. Como resultado, o estudo mostrou que com a TAVR houve uma taxa menor de morte, acidente vascular cerebral e reospitalização quando comparada à cirurgia convencional (8,5% vs. 15,1%) em 1 ano. Além disso, o estudo destacou mais dois pontos: 1) a TAVR foi associada a uma taxa significativamente menor de nova fibrilação atrial, menor tempo de hospitalização e menor risco de falha de tratamento; 2) a qualidade de vida dos pacientes aumentou mais rapidamente após a cirurgia. Desse modo, o estudo concluiu que a TAVR teve resultados significativamente melhores em 1 ano que a cirurgia convencional. O artigo faz uma ressalva importante de que é necessário realizar acompanhamento de longo prazo para melhor avaliação da durabilidade da TAVR.

Em agosto deste ano, a FDA (Food and Drug Admnistration), órgão regulador dos Estados Unidos, aprovou o uso de dois modelos de TAVR (como resultado de dois estudos clínicos distintos, sendo um citado acima) para o uso em pacientes com estenose aórtica grave com baixo risco de morte ou complicações maiores2. Foi o primeiro órgão regulatório a aprovar a técnica para esse tipo de paciente, aumentando exponencialmente a quantidade de pessoas que podem ser tratadas desta forma. A FDA, no entanto, exigiu que as fabricantes mantenham vigilância dos pacientes por um período de 10 anos, a fim de ter uma avaliação contínua da segurança e eficácia a longo prazo.

Os resultados completos da abrangência de todo o espectro de risco da TAVR só serão vistos em alguns anos, quando estudos comparativos de longo prazo indicarão não inferioridade ou até superioridade em relação à cirurgia convencional.

 

Para entender um pouco melhor como é realizada a TAVR, veja o vídeo abaixo!

 

Referências

  1. Mack MJ, Leon MB, Thourani VH, Makkar R, Kodali SK, Russo M, et al. Transcatheter aortic-valve replacement with a balloon-expandable valve in low-risk patients. N Engl J Med. May 2 2019;380918):1695-1705.
  2. S Food and Drug Administration. FDA expands indication for several transcatheter heart valves to patients at low risk for death or major complications associated with open-heart surgery. Disponível em: https://www.fda.gov/news-events/press-announcements/fda-expands-indication-several-transcatheter-heart-valves-patients-low-risk-death-or-major [Acesso em: 10 set. 2019].
2