Febre de origem tumoral

Dentro do espectro das síndromes febris, é de fundamental importância saber reconhecer sinais e sintomas sugestivos de endocardite, independente de doença cardiovascular preexistente. Exame físico cauteloso e propedêutica complementar criteriosa (imagem, culturas) são imprescindíveis para um bom diagnóstico.

Seguindo por uma dessas vertentes, vários germes podem ser causadores da endocardite, como, por exemplo, Streptococcus bovis. É um microorganismo com algumas particularidades, a serem exploradas brevemente neste editorial. Pacientes com endocardite, secundária a S. bovis, apresentam associação bastante frequente com alterações do trato gastrointestinal, sejam estas benignas ou malignas.

O maior destaque fica para o câncer colorretal, em especial o adenocarcinoma. Outros também podem ser citados, como os adenomas/pólipos colônicos, doenças da via biliar, neoplasias hepáticas e/ou hematológicas. A fisiopatologia não é bem clara, mas acredita-se que o trato gastrointestinal doente (com distorção citoarquitetural da mucosa, submucosa e serosa) possa ser o responsável pela translocação bacteriana e consequente infecção em sítios extra-colônicos.

Sendo assim, pacientes com este comprometimento clínico, após o diagnóstico e instituição de tratamento para endocardite, deverão ser submetidos a estudo endoscópico completo (particularmente colonoscopia); sendo frequente os achados sugestivos de neoplasia colorretal.

Referência:

– Gold J, Bayar S et al. Association of Streptococcus bovis bacteremia with colonic neoplasia and extracolonic malignancy. Arch Surg. 2004; 139 (7) : 760-765

0