O pioneirismo brasileiro no tratamento da transposição das grandes artérias

Em 1975, na presença de 400 chefes de serviços de cardiologia reunidos no II Simpósio do Henry Ford Hospital, o cirurgião brasileiro Adib Jatene descreveu uma técnica que revolucionaria a medicina mundial: a correção arterial de transposição de grandes vasos com translocação das artérias coronárias. A partir de então, a técnica tornou-se a preferida na maioria dos centros mundiais para o tratamento dos portadores dessa anomalia anatômica, contando hoje com mais de 800 artigos publicados acerca desse assunto.

Foto: professor Adib Domingos Jatene.

 

A transposição das grandes artérias (TGA) é uma das cardiopatias mais comuns no período neonatal, sendo caracterizada por duas circulações em paralelo, em que em uma delas o sangue sistêmico chega ao átrio direito, vai ao ventrículo direito e volta para o corpo, enquanto na outra o sangue proveniente dos pulmões chega ao átrio esquerdo, vai ao ventrículo esquerdo e volta ao pulmão. Nessa condição, não há como sobreviver.

 

Então, como sobrevivem os recém-natos com TGA? Aqui, é importante relembrarmos da circulação fetal na vida intraútero: o sangue oxigenado proveniente da placenta chega ao átrio direito e é desviado para a aorta por duas importantes estruturas: o forame oval e o canal arterial. Após o nascimento, o recém-nascido faz uma adaptação dessa circulação fetal para a circulação neonatal, principalmente pelo fechamento dessas estruturas; entretanto, em casos em que essa adaptação não ocorre, teremos um shunt entre as duas câmaras cardíacas, ou seja, mistura de sangue entre o lado esquerdo e o lado direito, sendo esse o fenômeno que possibilita a sobrevivência dos nascidos com TGA.

Apesar disso, é fisiológico que o forame oval e o canal arterial se fechem nos primeiros dias de vida, levando essas crianças a óbito dentro desse período. Dessa forma, o canal arterial pode ser mantido patente pela administração intravenosa de prostaglandina E1, enquanto a comunicação interatrial pode ser mantida pelo procedimento de Rashkind, que consiste na introdução de um cateter-balão para aumentar a mistura de sangue.

 

O tratamento definitivo consiste na correção cirúrgica do defeito anatômico, por meio da desconexão das artérias aorta e pulmonar e reconexão desses vasos em suas raízes opostas, incluindo a translocação das artérias coronárias para a neoaorta. Esta é a cirurgia de Jatene, ou switch operation, mundialmente conhecida por revolucionar o tratamento dessa cardiopatia. A cirurgia deve ser realizada nas primeiras semanas de vida, para que o ventrículo esquerdo não se adapte à baixa pressão da circulação pulmonar, pois isso diminui sua capacidade de suportar a circulação sistêmica.

 

Médicos como o professor Adib Jatene merecem ser sempre homenageados por suas obras, visões e contribuições para a medicina, sendo o seu legado uma das mais importantes colaborações da medicina brasileira ao cenário mundial.

 

Vídeo descrevendo a técnica:

 

 

Referência

 

Jatene MB, Jatene FB, Monteiro AC. Correção cirúrgica da transposição das grandes artérias: 30 anos de operação de Jatene. Rev Med (São Paulo). 2005 jul.-dez.;84(3-4):113-7.

0