NATAL E ANO NOVO: CORRELAÇÃO DE INCIDÊNCIA DO INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO

          É sabido que fatores externos como desastres ambientais- furacões, terremotos-, conflitos armados, eventos esportivos e mudanças econômicas constituem fatores de risco e podem funcionar como desencadeantes de alterações isquêmica cardíacas. Mas qual o papel de datas como Natal e Ano Novo no surgimento desses casos?

            Muitos trabalhos já identificaram um risco aumentado de síndrome coronariana aguda no Natal e Ano Novo (Figura 1). Num editorial publicado na Circulation, ainda no início da década de 2000, os autores descrevem o aumento no número desses eventos como uma espécie de fenômeno (The “Merry Christmas Coronary” and “Happy New Year Heart Attack” Phenomenon) e os principais desencadeadores: atraso na busca por atendimento, menor número de profissionais em exercício durante as festas, aumento no consumo de sal e álcool, estresse emocional, afecções respiratórias agudas (influenza, por exemplo), clima frio, alterações no ritmo circadiano, com menos luz solar nessa época, dentre outros.

Figura 1 – Sintomas da síndrome coronariana aguda e ilustração do infarto agudo do miocárdio.

Fonte: JAMA.

            Mais recentemente, um estudo pulicado no British Medical Journal utilizou como fundo um banco de dados importante para analisar o impacto do Natal e feriados nas taxas de infarto agudo do miocárdio (IAM), caracterizado como alterações eletrocardiográficas e biomarcadores. O trabalho teve por base o SWEDEHEART, uma coorte observacional com dados de 1998 a 2013 e um total de 283.000 casos de IAM analisados. Os resultados foram de encontro ao que já existia na literatura: o feriado de Natal foi associado a um maior risco de IAM, em especial na véspera e principalmente em pacientes idosos com comorbidades prévias. Apesar dos resultados, os autores destacam a limitação do estudo por ser observacional e a causalidade das variáveis não ter sido estudada.

            Ao se compreender que o número de casos de síndrome coronariana aguda aumenta no Natal e Ano Novo, as equipes de pronto-socorro podem ter sua retaguarda reforçada para receber esses pacientes e garantir que as intervenções adequadas sejam feitas no tempo correto. Além disso, os médicos podem instruir seus pacientes com comorbidades cardíacas prévias sobre os fatores estressores que possam descompensar as doenças de base.

REFERÊNCIAS

  1. KLONER, R. A. The “Merry Christmas Coronary” and “Happy New Year Heart Attack” Phenomenon. AHA. 2004. doi: 10.1161/01.CIR.0000151786.03797.18 Disponível em: https://ahajournals.org/doi/full/10.1161/01.cir.0000151786.03797.18
  2. MOHHAMAD, M. A., et al. Christmas, national holidays, sport events, and time factors as triggers of acute myocardial infarction: SWEDEHEART observational study 1998-2013. BMJ. 2018. doi: 10.1136/bmj.k4811. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/30541902
  3. Fanaroff AC, Rymer JA, Goldstein SA. Acute Coronary Syndrome. JAMA. 2015;314(18):1990. doi: https://doi.org/10.1001/jama.2015.12743. Disponível em: https://jamanetwork.com/journals/jama/fullarticle/2468893
2